Matrix Cerebral – Como mudar nossas crenças

Voltar para o arquivo

Camila-Capel-background-autoconhecer

Nascemos como um computador em branco, onde vamos inserindo dados. A partir do 6º mês de gestação, as emoções e vivências da mãe começam a alimentar esse arquivo, na forma de memória implícita. Ao nascer, desde o momento da inalação do ar pela primeira vez e da captura da luz na sala de parto, a criança começa a perceber o mundo a partir de seus órgãos do sentido. Através das sensações captadas pelos órgãos sensoriais, há a percepção, chamada de emoção. Ela então corre, através de um impulso elétrico, até o cérebro, gerando uma explosão bioquímica. Estes impulsos elétricos, num primeiro momento, não sofrem codificação, são apenas sentidos como informações de prazer, desprazer ou neutras. Mesmo assim, tornam- se memórias não conscientes que, mesmo assim, servem de informação para construção da nossa estrutura de interpretação da realidade, chamada Matrix cerebral. Estes impulsos vão formando circuitos cerebrais. Gerados nos primórdios da vida, são estes impulsos elétricos, leia-se memórias implícitas, que são utilizados ao longo da vida de um indivíduo, como banco de dados para interpretação de tudo que é captado a partir da sua relação com o mundo. Além de servir como maneira de processar a realidade, estas emoções são as responsáveis por criar nossa Matrix, uma construção artificial de realidade, uma hiper- realidade. O conceito de Matrix pode ser entendido através da alegoria da Caverna, experimento mental proposto por Platão no livro VII da República, escrito por volta de 380 a.C.(Ref. Revista Super interessante) Os diálogos entre Sócrates e interlocutores atenienses  no Mito da caverna, ajudam-nos a compreender do funcionamento da Matrix na nossa mente.

A Matrix processa o mundo de acordo com as vivências que ela já possui, na forma de crenças, cultura e em tudo aquilo que aprendemos desde a gestação e durante toda nossa infância. Ela faz uma construção individual da realidade. Além desta função, acredita-se que a Matrix é responsável por enviar impulsos elétricos para que a fisiologia do corpo aconteça e possamos manter a vida. Portanto, é a partir da Matrix que o cérebro envia impulsos elétricos para que o restante do corpo funcione. Por exemplo, para que o coração bata, ele precisa de um impulso elétrico, este impulso vem do cérebro, que é formado a partir da Matrix. E esta utilizou-se de imagens mentais, vindas dos estímulos captados pelos órgãos sensoriais desde o nascimento e durante a gestação, a partir das emoções que a mãe sentia. Ou seja, para rodar nossa máquina, chamada corpo humano, usamos nossa Matrix, formada pelas nossas emoções( leia- se, impulso elétrico)

EMOÇÕES E CRENÇAS

Nosso cérebro possui dois hemisférios, o direito e o esquerdo. Ambos trabalham juntos, mas cada um deles foi projetado de maneira diferente. Os neurônios de cada hemisfério possuem dendritos especializados em uma função. Os dendritos dos neurônios do lado esquerdo têm maior quantidade de mielina, isto poderia relacionar-se com a alta solicitação da linguística exigida a este hemisfério. Já os dendritos dos neurônios do lado direito são formados para processar imagem e sensação. Nosso corpo funciona em grande parte pelos comandos vindos dos Sistema Nervoso Autônomo Simpático e Parassimpático e este sistema obedece aos comandos vindos do hemisfério direito, ou seja, das nossas emoções. Frequência cardíaca, temperatura corporal, pulmão, sistema digestivo, secreção de hormônios, pressão arterial são algumas das funções exercidas pelo sistema autônomo. O hemisfério direito possui uma visão mais holística do mundo; ele pensa em forma de figuras. Já o hemisfério esquerdo é responsável pela nossa memória autobiográfica e através desta memória sabemos quem somos; é uma memória construída ao longo da nossa vida. Um exemplo da ação dos hemisférios é aquele teste que a maioria de nós já experimentou, onde nos colocam três pontos pretos na tela e pedem que olhemos os pontos por uns 40 segundos. (quando fazemos isso estamos ativando o hemisfério direito. Então, depois, colocam-nos uma tela em branco) e, ao visualizá-la, nosso cérebro cria uma imagem; normalmente imagem de Jesus. Aqui, nosso hemisfério esquerdo, que possui em sua memória a imagem de Jesus (no caso dos ocidentais Jesus é a imagem mais conhecida e por isso é usada no teste), cria esta imagem fictícia. No caso de alguém que nunca tenha visto a imagem de Jesus, certamente não verá nada. Em outras palavras, nosso hemisfério esquerdo, o hemisfério responsável pela narrativa, funciona como bloqueador, impedindo que vejamos outras realidades, de acordo com aquilo que ele já possui como referências anteriores. Aqui, entendemos como as crenças influenciam nossa vida, atuando como auto sabotadores condicionando nossa mente a enxergar apenas aquilo que ela já está condicionada a olhar.

Em nossa Matrix está gravada a maneira como o corpo precisa ser estimulado para que obtenha o impulso elétrico, garantindo que as funções vitais não parem, ou seja, se houvesse uma falha no sistema, o coração poderia não receber o estímulo do cérebro e pararia de bater. Isso significa que buscaremos, ao longo da vida, emoções que abasteçam nossa Matrix, para gerar o mesmo tipo de impulso elétrico, para que a máquina não pare até nosso último suspiro. 

COMO SE FORMAM AS PERSONALIDADES

Nesta linha de raciocínio, chegamos ao ponto central, buscamos o mesmo tipo de emoção, leia-se impulso elétrico, durante toda vida; é uma questão de sobrevivência. Ora, se precisamos viver, precisamos que coração bata, precisamos estimular a máquina o tempo todo e para isso buscaremos repetir as emoções registradas na nossa Matrix, retroalimentando o circuito. A maneira com que a criança vai sentir e perceber o ambiente e seus estímulos varia de acordo com o temperamento, que é uma herança ancestral. De acordo com esta herança, a criança vai moldando um jeito de interpretar a realidade, isso gera traços, que formam nossa identidade, moldando um jeito de ser e formando nossa personalidade. 

A nossa personalidade é moldada a partir do temperamento que, para a medicina Tradicional Chinesa divide-se em Madeira, Fogo, Terra, Metal e Água e cada elemento tem correspondência com um órgão dominante. Na Antroposofia, Rudolf Steiner classifica em quatro tipos: Colérico, Sanguíneo, Fleumático e Melancólico. Mas eles encontram total correspondência com a MTC

Madeira- Colérico- Bílis amarela (fígado)

Fogo-Sanguíneo (coração)

Terra – Fleumático (baço pâncreas)

Metal- Melancólico- Bílis Negra (pulmão)

Água- Receptivo- Bílis negra (rim)No processo de Coach Holístico, baseado na Medicina Tradicional Chinesa e Neurociência, o trabalho consiste em mapear os pontos onde o indivíduo está estagnando sua energia na forma de sintomas físicos e emocionais. A técnica começa acessando o hemisfério direito do cérebro, as sensações que compuseram sua Matrix, formando crenças e valores que regem sua roda da vida e seu pentagrama. Ao acessá-las, podemos agora nomeá-las, usando a cognição, ativando o hemisfério esquerdo. O processo de rastrear as sensações, ou seja, imergi-las à consciência do indivíduo, formam novos circuitos cerebrais. Isso significa que estamos mexendo na Matrix de onde vinha a programação inicial. A partir da codificação de sensações, um novo circuito passa a operar a Matrix, se antes ele era preenchido por memórias de abandono, rejeição, medo, desvalorização, por exemplo, agora, através da consciência destes circuitos, formados ainda na infância, ganha- se possibilidade de desarmá-los e, a partir deste processo, o indivíduo ganha a chance de ressignificar sua história. 

Camila Capel Bio

Camila Capel

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.