O poder da gratidão

Voltar para o arquivo

A palavra gratidão virou clichê nos hashtags, no Instagram, onde ele aparece como legenda de belas paisagens, pais e filhos sorrindo e toda diversidade de felicidade que deprime o sujeito num sábado a tarde em que ele experimenta a solidão e o vazio, enquanto desliza seus dedos na vida alheia. E talvez por isso passamos a não querer entender melhor esta palavra, as fotos de alegria e prazer simplificam a grandiosidade da real gratidão.

Para o nosso cérebro narrativo, relacionado com o hemisfério esquerdo, quando sentimos gratidão estamos doando algo, é uma entrega, porém internamente gera uma explosão bioquímica de serotonina, dopamina e ocitocina. Paradoxalmente, ao nos subtrairmos narrativamente ganhamos explosão bioquímica. Essa explosão bioquímica se dá em partes pela ligação da consciência com o mediador intestinal. Recentemente, o Mesentério, que sustenta o intestino preso no lugar, foi considerado novo órgão. Sabe-se que no intestino ocorre a produção de mais de 80% da serotonina; o reflexo vindo do cérebro estimula esta produção. Experienciar a gratidão, envia impulsos elétricos que, através de um mecanismo cerebral, envia sinais para a hipófise, que passa a enviar hormônios para todo o corpo; ou seja, gratidão está diretamente ligada à saúde, à produção hormonal que promove saúde, enquanto situações de estresse, ligadas a uma avalanche de cortisol, promovem estado de alerta e uma inflamação no organismo. O coração é o órgão que comanda nosso cérebro, o que sentimos nele chega ao cérebro e por isso nossas respostas hormonais estão ligadas às nossas emoções.

Mas para além das comprovações científicas, a gratidão é aquele sentimento que aquece o coração, que nos faz sentir plenos e satisfeitos com o que a vida apresenta, ainda que não sejam coisas de fato agradáveis. Poder reconhecer que tudo que nos chega acrescenta-nos uma vivência interior grandiosa, torna-nos gratos. Por este motivo, cultivar sentimentos que trazem esta sensação de bem-estar promove saúde física.

Nosso cérebro não processa duas informações antagônicas ao mesmo tempo, assim, pensamentos destrutivos preenchem a mente e pensamentos de amor a preenchem também, de tal forma que não cabem os dois ao mesmo tempo.

Listar nossas conquistas através da sensação de gratidão que elas têm o poder de gerar ativa o sistema de recompensa do nosso cérebro, promovendo sensação de bem-estar. Criar um caderno de gratidão, onde diariamente elegemos três coisas das quais somos gratos por ter, fazer, por ter vivenciado naquele dia, foi um recurso ensinado por Martin Selligman, máximo expoente da Psicologia Positiva. Segundo Dr. Jou Eel Jia, médico especialista em Medicina Tradicional Chinesa e Neurociência, podemos também elaborar um portfólio pessoal das nossas conquistas, materiais ou afetivas; isto teria o poder de ativar a área cerebral responsável pela dopamina. Que tal reservar alguns minutos para se aprofundar neste tema e descobrir que sua vida já é repleta de conquistas?

No primeiro momento, talvez nada venha à mente, mas podemos fazer exercícios meditativos com o intuito de reativar nossas memórias, por meio de uma retrospectiva de nossa vida. Segue uma sugestão para ajudá-lo a começar:

  • A partir do momento presente vá voltando seis meses, depois um ano, dois, cinco, dez, quinze, vinte anos atrás. Enquanto percorre, observe o que você aprendeu através do estudo, trabalho, de seu próprio empenho pessoal. Pense nestes aspectos da sua vida:

Afetiva

Profissional

Relacionamentos pessoais

Relacionamento interpessoais

Ambiente físico

Saúde

Finanças 

Espiritual

  • Onde você considera estar atualmente em cada uma destas área. E  qual percurso você fez para chegar até aqui?
  • Pense nos diversos papéis que desempenha: funcionário, patrão, cidadão, amigo, esposa, marido, filho, pai, mãe. Como você percorreu sua história? Observe suas conquistas nos diferentes papéis que desempenhou.
  • Amizades verdadeiras, os laços afetivos duradouros. Traga à memória estas pessoas.
  • Sua família, como se constituiu?
  • Socialmente, que papel você exerce no seu meio que faz a diferença no seu entorno?
  • Materialmente, também observe o que você tem hoje e volte percorrendo sua jornada.

Algumas dicas: 

  • Neste portfólio não necessariamente você precisa estar realizando a ação hoje, mas tudo pertence a você, porque faz parte da sua trajetória.
  • Imagine-se escrevendo um livro que será lido daqui a muitos anos, por alguém que não conviveu com você, mas que, ao ler, terá noção da dimensão da sua história.
  • Supere a autocobrança de achar sua vida sem graça e sem êxitos, como se apenas grandes intelectuais e cientistas merecem ter seus feitos registrados. Lembre-se de que esta é a sua biografia, portanto, a mais interessante do mundo. 
  • Deixe emergir sensações, sentimentos, angústias, frustrações que podem advir desta análise. Aliás, muito provavelmente, fantasmas irão aparecer nesta hora. Mas peça que eles se acalmem. Se achar que isto está muito presente, sugiro a prática de exercício meditativos como Autovalorização e resgate das potencialidades através do Mindfulness (Podcast Plena.mente) antes de fazer o portfólio.
Camila Capel Bio

Camila Capel

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Ut elit tellus, luctus nec ullamcorper mattis, pulvinar dapibus leo.